Conversas sobre Impermanência

com Bruno Zorzal, Ananda Carvalho e Márcia Mello

A Plataforma de Curadoria realizou uma parceria com a exposição Impermanência, do artista Bruno Zorzal. Recebemos duas conversas a partir da mostra que aconteceu na Casa Porto das Artes Plásticas (Vitória - ES) entre junho e setembro de 2021.

No primeiro encontro, Zorzal conversou com a curadora da exposição, Ananda Carvalho. A dupla falou sobre o processo criativo do artista, curiosidades sobre o trabalho, entre outros assuntos que giraram em torno da exposição Impermanência.

Conversa realizada no dia 01 de setembro de 2021.



Em um segundo momento, Bruno Zorzal e Ananda Carvalho conversaram com a curadora e conservadora de fotografia, Marcia Mello. No bate-papo, o trio abordou tanto os processos de fabricação e obras da exposição Impermanência quanto trabalhos de outros artistas, tocando questões centrais da fotografia contemporânea, um meio de expressão essencial para a reflexão sobre a arte em nossos dias.


Conversa realizada no dia 15 de setembro de 2021.



Sobre a exposição Impermanência


Criar um ponto de questionamento entre a efemeridade das imagens e a realidade da vida contemporânea é uma das propostas da exposição Impermanência, de Bruno Zorzal. O artista volta no tempo e se apropria de processos fotográficos históricos e artesanais, além de velhos retratos anônimos (que fazem parte de sua coleção particular), utilizando materiais diversos, como papel, casca de parede e metal.

“Guiado pela noção de impermanência, este projeto busca investigar nosso momento histórico paradigmático em que as existências – e mesmo uma estética e ética individual e coletiva – passam pelo transitório, pelo fugaz” explicou Zorzal.

Conheça mais sobre a exposição:

Vídeo registro

Folder com texto curatorial

Material educativo


Sobre o artista

Bruno Zorzal é artista, curador e pesquisador. Depois de uma experiência como repórter fotográfico em Vitória, estudou fotografia em Roma e, em 2016, concluiu o doutorado em Estética das Artes Plásticas e Fotografia, pela Universidade Paris 8, pesquisa que gerou dois livros publicados na França. Seu trabalho dialoga com diferentes aparatos, com o uso de imagens já existentes e convergências, na fotografia, de outros modos de expressão como o vídeo, o cinema e a pintura.

Sobre a curadora

Ananda Carvalho é curadora, crítica de arte, professora adjunta no Departamento de Artes Visuais da Universidade Federal do Espírito Santo e Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP (Bolsa CNPq). Desde 2009, escreve e pesquisa sobre arte contemporânea e realiza curadorias contempladas em editais, em instituições públicas e privadas, em galerias comerciais e em espaços independentes. Coordena a Plataforma de Curadoria (que envolve projetos de pesquisa e extensão realizados na UFES) e a Galeria de Arte e Pesquisa (GAP-UFES).

Sobre a convidada

Marcia Mello é pesquisadora, curadora e conservadora de fotografia, Bacharel em Letras pela UFRJ. Foi curadora do Departamento de Fotografia do MAM (RJ), entre 1988 e 1997. Entre 2006 e 2015 foi diretora-curadora da Galeria Tempo (RJ). Entre suas atividades mais recentes, destacam-se curadorias e pesquisas com fotógrafos e artistas como Miguel Rio Branco, Alair Gomes, Evandro Teixeira, Renan Cepeda, entre outros.

A exposição Impermanência foi um dos projetos contemplados no edital de seleção de projeto de ocupação da Casa Porto das Artes Plásticas, ano 2019/2020, categoria I - Exposição Artística, e realizada com recursos do Fundo Municipal de Cultura (Funcultura). O trabalho conta com a produção e design do Estúdio Monomotor.